CORREIO GOURMAND    

Home

|

O CORREIO GOURMAND

|

CUPOM GOURMAND

|

SORTEIO DO MÊS

|

PREMIADOS

|

PROMOÇÕES

PROMOÇÕES

CORREIO GOURMAND

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA CADERNO DE NOTÍCIAS DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

 

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA

CADERNO DE NOTÍCIAS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS

VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

CADERNO FOODSERVICE

Mapa do Portal 

 
GUIAS GOURMANDS

GUIA ONDE COMER BEM

GUIA ONDE SE HOSPEDAR
GUIA FAZENDO FESTA
GUIA DE ESCOLAS E CURSOS DE GASTRONOMIA
GUIA ONDE COMPRAR PRODUTOS GASTRONÔMICOS
GUIA DO MERCADÃO DE SÃO PAULO
 

  CADERNO FOODSERVICE  

CADERNO FOODSERVICE

O canal do profissional

Apoio cultural: 

O MERCADO   CARREIRAS   ESCOLAS   EVENTOS   SEGURANÇA ALIMENTAR   RECEITAS   FORNECEDORES  

 

O MERCADO FOODSERVICE

A vertente esquecida da segurança alimentar
 

Edmundo Klotz

Presidente da ABIA

Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos
 

 

 

Até 2012, o número de terráqueos aumentará de seis para sete bilhões, quase uma Índia a mais; até 2050, serão nove bilhões os habitantes do Planeta, um crescimento, em relação a 2008, equivalente ao dobro do número de habitantes da China. Estas projeções, constantes do recente relatório Revisão das Perspectivas para a População Mundial de 2008, do Departamento da ONU para Assuntos Econômicos e Sociais (DESA), dimensionam em termos práticos o desafio da sustentabilidade.

Em síntese, será preciso encontrar soluções para alimentar, vestir, garantir habitação, saúde e educação para as novas gerações, além de resgatar o passivo representado pelos grandes contingentes atuais de excluídos. E tudo isso precisa ser feito sem danos ambientais, cessando a emissão de gases do efeito estufa e manejando de modo adequado a exploração dos recursos naturais.

Um único e preocupante dado é suficiente para evidenciar a dureza do embate da sobrevivência: um bilhão de pessoas, conforme revelou a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), já passa fome em todo o mundo. Como se não bastasse, a atual crise financeira e econômica pode lançar ainda mais pessoas à fome e à pobreza, caso decisões urgentes e medidas corajosas e eficazes não forem tomadas.

Assim, a despeito da grande importância de todos os demais itens que consubstanciam o conceito contemporâneo de sustentabilidade, não há dúvida de que a prioridade é a segurança alimentar. Afinal, alimentação correta e vida saudável são a base de uma sociedade mais equilibrada, com menos doenças e na qual haja mais oportunidades para que os indivíduos ascendam a patamares de renda acima da linha da pobreza. Esses são os pilares efetivos da sustentabilidade.

Consideradas tais premissas, é muito pertinente a proposta de se realizar a Cúpula Mundial da Alimentação em novembro próximo, em Roma, na Itália, durante a 36ª Sessão da Conferência da FAO. Este reconhecido organismo multilateral espera alcançar resultados tangíveis, assegurando amplo consenso sobre a completa e rápida erradicação da fome, criando uma nova ordem alimentar mundial. O objetivo é muito louvável e merece o apoio de todos os governos, como já fizeram o Brasil e várias outras nações.

O diretor da FAO, Jacques Diuf, já tem antecipado a pauta do evento. Para ele, a cúpula deverá conferir mais coerência à estrutura de governança global da segurança alimentar. O encontro, salienta, definirá como será possível melhorar as políticas e os aspectos estruturais do sistema agrícola internacional, impulsionando soluções políticas, financeiras e técnicas duradouras. Na presença de chefes de Estado e governo e autoridades do setor, o encontro deverá reiterar os apelos para que a comunidade internacional seja mais ativa no cumprimento de sua promessa de combater a fome, mobilizando US$ 30 bilhões por ano para investir em infra-estrutura rural e promover a produção agrícola e a produtividade nos países em desenvolvimento.

Tudo isso é muito pertinente, em especial se considerarmos o atraso no cronograma do aporte financeiro da comunidade internacional no combate à insegurança alimentar, definido em 2008 e não cumprido. Por enquanto, apenas a União Européia, dentre os protagonistas do mundo desenvolvido, tem feito aporte mais expressivo de recursos, como a recente doação de US$ 144 milhões à FAO. Enfim, a Cúpula Mundial da Alimentação ocorrerá em momento muito oportuno.

Em todo esse debate, contudo, é de se estranhar a exclusão de um setor essencial à conquista da segurança alimentar: a indústria alimentícia, ora, responsável, segundo o IBGE, pelo escoamento e distribuição de 85% dos alimentos consumidos! Obviamente, a agropecuária, a ampliação das áreas agricultáveis e adoção de condições mais adequadas à cultura de alimentos são imprescindíveis. Porém, também é decisiva a contribuição da indústria, cada vez mais avançada quanto à produtividade (otimizando o aproveitamento da produção rural), qualidade e valor nutricional, além dos investimentos em pesquisa e tecnologia. Dessa maneira, o setor não pode continuar sendo ignorado na pauta dos grandes fóruns mundiais sobre alimentação e precisa ter espaço na cimeira de novembro, pois a gravidade do desafio a ser enfrentado exige a mobilização conjunta de todos os elos dessa prioritária cadeia de suprimentos.
 

 
Junho 2009

MATÉRIA ANTERIOR

O substancioso mercado do Foodservice - Virgínia Brandão

 

Voltar à página principal de O MERCADO FOODSERVICES

 
    APROVADO  



 

 

 

CANAL FOODSERVICE

    Voltar ao topo  

 

  no Correio Gourm@nd  

 

APOIO:

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

|

|

 

Copyright ©  -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.

 

 

 

Voltar ao topo