CORREIO GOURMAND    

Home

|

O CORREIO GOURMAND

|

CUPOM GOURMAND

|

SORTEIO DO MÊS

|

PREMIADOS

|

PROMOÇÕES

PROMOÇÕES

CORREIO GOURMAND

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA CADERNO GASTRONOMIA EM NOTÍCIAS DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

 

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA

CADERNO DE NOTÍCIAS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS

VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

CORREIO GOURMAND

Mapa do Portal

 
GUIAS GOURMANDS

GUIA ONDE COMER BEM

GUIA ONDE SE HOSPEDAR
GUIA FAZENDO FESTA
GUIA DE ESCOLAS E CURSOS DE GASTRONOMIA
GUIA ONDE COMPRAR PRODUTOS GASTRONÔMICOS
GUIA DO MERCADÃO DE SÃO PAULO
 

   

Apoio cultural: 

APROVADO  


 

JUDAÍSMO E NATAL

 

A Festa de Chanuká

 

Eliana Rebeka Rosebaum Didio

 

O Chanuká
 

No mesmo período em que os cristãos comemoram o Natal, os judeus comemoram o Chanuká, que em hebraico significa "inauguração" é a Festa das Luzes, e dura 8 dias.

 

Começa em 25 de Kislev - 15 de dezembro, e comemora a vitória dos macabeus contra governantes silêncidas da Palestina, que haviam profanado o templo impondo a religião helenística aos judeus.
 

Os macabeus, liderados por Judá Macabeu, em sua revolta demonstraram preservar sua fé e liberdade religiosa, através do re-acendimento da menorá (candelabro), cheia com óleo de oliva, que era permanentemente acesa no templo de Jerusalém, simbolizando a sabedoria divina.


Quando tentaram reacendê-la, encontrou somente um pequeno jarro contendo azeite puro, ainda intacto, para o ritual. Milagrosamente, esse óleo continuou ardendo durante 8 dias, permitindo que se prepare mais óleo puro.


Isso aconteceu em 165 a.C, culminando na festa de Chanuká, quando se acende em cada casa uma menorá de 8 braços.


A cada dia se acende uma vela, nas famílias mais religiosas estão presentes todos os membros, marido, esposa e filhos.


Desde os tempos do Templo, o candelabro representa um dos principais símbolos judaicos, constando em lápides tumulares, mosaicos de sinagogas e em diagramas cabalísticos, além de ser o emblema do Estado de Israel. Para os judeus devotos, a mensagem da história do óleo milagroso é que Deus permite que alguma coisa pura, por menos que possa parecer, ilumine muito além do seu potencial natural.


Ao acenderem a luz da menorá, costuma-se cantar um hino chamado Maoz Tzur, que significa fortaleza de rocha, cuja canção data de épocas medievais, no século 13. Os judeus estão sofrendo opressão nas mãos do rei Antíoco, Epifanes II, que os impediu de estudar a Tora e viverem de acordo com os mandamentos, para os judeus Judá Macabeu tornou-se um herói.


Contrariando todos os princípios judaicos, Antíoco ocupou Jerusalém, primeiramente, erguendo uma estátua de Júpiter no Templo Sagrado, e um porco, que sacrificou no altar. Mesmo o inimigo possuindo uma armada de 40 mil soldados e 7 mil cavalheiros, muitas vezes superior ao pequeno grupo de macabeus, os judeus ganharam a primeira batalha. Numa segunda tentativa, Antíoco enviou 60 mil soldados e 5 mil cavalheiros para derrubarem os macabeus. Mas mais uma vez os macabeus saíram vitoriosos, tendo o inimigo assim concluído que os judeus preferiam morrer a viver sem sua fé e assim finalmente se retiraram.

 

 

COSTUMES

Sevivon

 

Há o costume de neste dia, se jogar um jogo chamado 'dreidel', que consiste de um pião que dependendo do lado que ficar para cima, o jogador ganha prêmios, em geral nozes e balas.


No Judaísmo, até algo tão simples quanto "gire-o-pião" realmente não é o que parece ser. Durante o tempo dos Macabeus, judeus foram presos pelo "crime" de estudar Torá. Enquanto estavam na prisão, estes judeus se reuniam para jogar dreidel. Com a desculpa de estarem perdendo seu tempo à toa, eles tomavam parte em discussões de Torá e, deste modo, desafiavam os inimigos do Judaísmo.


Cada dreidel tem quatro lados com uma letra em hebraico em cada lado. Cada uma destas letras inicia uma palavra. As quatro letras são:

  • Nun: a primeira letra da palavra nês, que significa "milagre"

  • Gimel: a primeira letra da palavra gadol, que significa "grande"

  • Hei: a primeira letra de haiá, que significa "aconteceu" e

  • Shin: a primeira letra de sham, que significa "lá"

Quando juntamos estas palavras, formamos a frase: "Um grande milagre aconteceu lá" .
 

Até hoje, o "jogo do dreidel" nos relembra o eterno desafio de qualquer pessoa que tenta ficar entre um judeu e a sua Torá.

 


Girando pela História


Alguém disse uma vez: - a vida é como um topo. Você gira muito ao seu redor, e depois, cai. Para algumas pessoas, a vida é um jogo, uma piada, um abismo arbitrário. Porém, não para o povo judeu. Temos sido "girados" pela história por 3,000 anos. Para alguns, a História pode parecer uma série arbitrária de eventos cujas tragédias freqüentes parecem comprovar a futilidade da vida. Mas a mensagem do dreidel é justamente o oposto disso.


Nos ensinos místicos de Kabbalá, há uma outra dimensão para o dreidel. As quatro letras representam quatro diferentes impérios históricos: dos Babilônios, dos Persas, dos Gregos e dos Romanos, que tentaram destruir o povo judeu. (Hoje, somos vítimas dos Romanos que destruíram o Segundo Templo e nos enviaram para o atual exílio.)


Será que estamos girando acidentalmente de uma tragédia para outra, ou há alguma rima ou razão para tudo o que aconteceu em nossa história?


É nos tempos de tragédia que o dreidel traz a sua mensagem: Se acreditarmos que existe um fundamento para o povo judeu, se souber que, apesar da conturbada falta de clareza dos eventos da nossa história, exista um motivo para tudo isso, e se estivermos preparados para lutarmos em permanecer judeus não importando no que a história nos coloque, então quem sabe, poderíamos ver um milagre e ficarmos seguros novamente de que existe uma mão escondida guiando o destino do povo judeu.

 

 

Regras para jogar Sevivon


1) Ao iniciar, cada jogador recebe a mesma quantia de moedas.
2) A cada partida, depositam a mesma quantia na mesa.
3) Cada jogador deverá, alternadamente, girar o sevivon. Dependendo da letra que cair, o jogador procederá da seguinte maneira:

  • "Nun": não perde nem ganha nada;

  • "Guímel": ganha todas as moedas da mesa;

  • "Hei": ganha a metade das moedas da mesa; e

  • "Shin": deposita na mesa o mesmo valor colocado anteriormente.


Presentes

Em Chanuká, é tradicional dar às crianças Chanuká Guelt, dinheiro de Chanuká. Uma das razões deste costume é a oportunidade de lhes oferecer um reforço positivo por comportamento exemplar e como dedicação ao estudo de Torá, que era proibido durante a ocupação dos sírios, além de incentivá-las a doar uma parte para tsedacá - caridade.
 



Quando o futuro e o passado se encontram

na mesa de Chanuká

 

 

“A festa de Chanuká é um tempo de encontro e experiências vividas juntos,

um tempo de lembranças do passado e esperança para o futuro”


 

Como em todas as festas judaicas, gira em torno da alimentação e em Chanuká nossa mesa deve ter alimentos fritos em óleo, numa alusão ao óleo de Chanuká.


Novamente nos deparamos com culturas diferentes e mesma religião. Os Ashkenazim costumam comer Latkes, bolinhos feitos de batata ralada (alguns os fazem em forma de pequenas panquecas), já os Sefaradim, fritura que são degustadas com caldas espessa e bem doce, além de doces como Zalabia, Lokmas e Sfenj, já em Israel come-se Sufganiyot.


Já os judeus Italianos apreciam comer pedaços de galinha envoltos numa massa e fritos em farta quantidade de óleo, já os marroquinos nessa época comem coucous com galinha frita, em vez de ensopada.


Alguns dos Judeus russos costumam colocar um torrão de açúcar numa colher, molhá-lo com brandy, acender e jogar aceso dentro de um copo de chá quente.Costuma-se comer pratos contendo queijos como tributo a Judite, que salvou sua cidade sitiada, Betúlia, na Judéia do inimigo Holofernes.


Conta-se que como estava apaixonado por ela, sucumbiu ao desejo de comer queijo excessivamente salgado, levando-o a beber muito vinho para suportar a sede. Enfraquecido pela bebedeira, tornou-se presa fácil e vulnerável, e assim Judite cortou-lhe a cabeça, levando-a até Jerusalém para mostrar aos soldados de Holofernes que horrorizados, fugiram da cidade.


Em comemoração a isso os Ashkenazim preparam Blintzes de Queijo, enquanto os sefharadim comem Burmuelos de queijo.


Para os judeus mais místicos, as luzes de Chanuká são consideradas uma manifestação da luz oculta do Messias, o rei ungido que será enviado por Deus para dar início á redenção final do fim dos dias.

 

 

 

algumas RECEITAS

 

Conheça algumas receitas típicas da Festa de Chanuká que também agradarão em qualquer ceia de Natal ou Ano Novo:

 

 

 

Feliz Natal e Feliz Chanuká a todos.
Por um mundo sempre melhor.

 

 

Eliana Rebeca Rosebaum Didio

 

 

 

 

 

COZINHA JUDAICA, saiba mais

 

 

 

Conheça outras festas judaicas:

 

Pessach - A Páscoa

Rosh Hashaná - O Ano Novo

Yom Kipur - O Dia do Perdão

 

Eliana Rebeca Rosebaum Didio é pós graduada em docência em Gastronomia Latu Sensu na Hotec, dona da Emotion & Food, escola de culinária e gastronomia, e escreve sobre Cozinha Judaica no CORREIO GOURMAND.

 

erdidio@terra.com.br

 

 
  Você gostou? então compartilhe!!  
 
 
 
 

 

Como se acende uma Chanuká?

Uma menorá de Chanuká tem oito braços numa fila reta de igual altura. O shamash (vela auxiliar), usado para acender a menorá, é colocado mais alto ou à parte das outras. Uma menorá que funcione com eletricidade pode ser usada como decoração de Chanuká, mas não cumpre a mitsvá (conexão com D’us) de acendimento da menorá.

Parte da mitsvá de Chanuká é a divulgação do milagre de Chanuká, portanto colocamos a menorá no batente oposto à mezuzá, ou numa janela, claramente visível do lado de fora. Velas podem ser usadas, mas devido ao seu papel no milagre de Chanuká, uma menorá com azeite é especialmente significativa.

Na primeira noite de Chanuká, reúna a família para o acendimento da menorá. Antes de acender, recite a bênção apropriada. Utilize o shamash para acender a primeira vela, no extremo direito da menorá.

Na segunda noite, acenda uma vela adicional à esquerda da vela acesa na noite anterior. Repita o mesmo processo a cada noite de Chanuká, onde a vela a ser acesa é sempre a nova, procedendo da esquerda para a direita. As velas devem arder durante pelo menos meia hora.

Se uma vela apagar durante o período em que deveria estar ardendo, deve ser reacendida. Na noite seguinte, os pavios e o azeite restantes podem ser reaproveitados.

Latkes

Sufganiyot

Blintzes de Queijo

 

 

Fontes: Wikipédia

ALGRANTI, MARCIA. Cozinha Judaica - "5000 anos de histórias de gastronomia".

Rio de Janeiro. Editora Record, 2000.

 

 


    Voltar ao topo  

 

  no Correio Gourm@nd  

 

APOIO:

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

|

|

 

Copyright ©  -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.

 
 

Voltar ao topo