CORREIO GOURMAND    

Home

|

O CORREIO GOURMAND

|

CUPOM GOURMAND

|

SORTEIO DO MÊS

|

PREMIADOS

|

PROMOÇÕES

PROMOÇÕES

CORREIO GOURMAND

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA CADERNO DE NOTÍCIAS DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

 

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA

CADERNO DE NOTÍCIAS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS

VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Mapa do Portal

 
GUIAS GOURMANDS

GUIA ONDE COMER BEM

GUIA ONDE SE HOSPEDAR
GUIA FAZENDO FESTA
GUIA DE ESCOLAS E CURSOS DE GASTRONOMIA
GUIA ONDE COMPRAR PRODUTOS GASTRONÔMICOS
GUIA DO MERCADÃO DE SÃO PAULO
 

  DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS  

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Alimentando o saber, aprimorando o paladar...

 

Apoio cultural: 

 

 

POLLOCK DO ALASCA

 

 

Da família Gadiforme, a mesma do legítimo bacalhau do Atlântico, o Gadus Morhua, mas um parente distante, já que são de gêneros diferentes, o Pollock do Alasca, começou a ser capturado e comercializado para consumo humano em grande escala apenas em 1984, justamente para servir de alternativa quando os estoques do primo famoso começaram a rarear nas águas do Atlântico Norte. Funcionou - hoje ele é o segundo peixe mais pescado do mundo (o primeiro é a Anchoveta peruana - Engraulis ringens) e um dos mais consumidos, representando a maior indústria de peixe branco do mundo.

 

Razões para esse sucesso todo não faltam: o Pollock do Alasca tem uma carne de alta qualidade, magra, de sabor suave diferenciado e textura firme. Na cozinha, é tão versátil quanto o seu primo famoso e sua carne, assim como a dele, desfaz-se em lascas depois de cozida, ao simples toque do garfo.

 

No Brasil, o Pollock do Alasca é conhecido como Badejo do Alasca (é um primo muito distante do badejo comum também). Muitas vezes, é, ainda, chamado de Merluza do Alasca, o que é um erro, pois não tem o menor parentesco com essa espécie. Em Portugal é chamado de Escamudo do Alasca ou Paloco do Pacífico.

 

O peixe

 

O Pollock do Alasca é uma espécie proveniente das águas geladas do oceano Pacífico Norte, distribuindo-se extensamente da Califórnia até o Estreito de Bering ao leste, e, do lado asiático, da Península russa de Kamchatka até o sul do mar do Japão.

 

Espécie muito resistente, o Pollock do Alasca alimenta-se de crustáceos planctônicos, arenques, lulas e pequenos salmões. Não é um peixe muito grande, atinge um comprimento médio máximo de cerca de 80 cm, peso entre 2,5 e 5 kg, e pode chegar aos 15 anos de idade. Possui três barbatanas dorsais e duas barbatanas anais. Seus olhos são grandes, tem a mandíbula inferior saliente, de onde pende um pequeno barbilho. A cor do seu dorso, geralmente com manchas escuras, varia do verde oliva ao marrom; tornando-se prateada nas laterais e pálida no ventre.

 

Alcançam a maturidade sexual entre os três e quatro anos de idade, quando apresentam um comprimento médio entre 30 e 40 cm. Sua fecundidade é muito elevada e vai aumentando com a idade: aos quatro anos - 520.000 ovos, aos 11 anos - 15 milhões de ovos.

 

O Pollock do Alasca é certificado pelo selo MSC (Marine Stewardship Council) como produto proveniente de uma pesca sustentável, sendo, em 95% dos casos, pescado de modo seletivo. Geralmente, é processado ainda no navio, imediatamente após a captura. Embora boa parte de sua produção seja comercializada sob a forma de produto ultracongelado, também é encontrado na forma salgada e seca.

 

Na cozinha

 

Gastronomicamente falando, o Pollock é um peixe muito versátil, que pode ser preparado de inúmeras maneiras. Pode ser assado no forno ou mesmo na churrasqueira, frito, ensopado, cozido no vapor, ou mesmo no microondas. Admite diferentes tipos de molhos e acompanhamentos, sendo que sua carne, além dos modos tradicionais, pode ser utilizada para o preparo de saladas, bolinhos, recheios diversos, risotos e muitas outras delícias.

 

É um peixe muito usado na culinária coreana, japonesa e russa. É o peixe mais utilizado para a produção do surimi (kani-kama). É muito utilizado, também, para a produção de empanados de peixes (barrinhas, nuggets, etc). Todos os produtos a base de peixe do Mc Donald’s, por exemplo, são feitos a base de Pollock do Alasca.

 

Nutricionalmente tem baixo conteúdo calórico, é muito rico em proteínas e boa fonte de sais minerais e vitaminas. Cada 100 gramas tem 70 calorias e o aporte proteico é bem considerável, cerca de 17%.

 

 

Fontes: FAO

Agriculture et Agroalimentaire Canada

 

Receitas DOS GRANDES CHEFS, CLIQUE AQUI.

Você gostou? então compartilhe!!  

Voltar à página principal de PEIXES

 
 
 

 

Nome científico: Theragra chalcogramma

(Pallas, 1811)

Reino: Animalia

Filo: Chordata

Classe: Actinopterygii

Gênero: Gadus

Ordem: Gadiformes

Família: Gadidae

Gênero: Theragra

Espécie: Theragra chalcogramma

 

Português

 

Brasil - Pollock ou Badejo do Alasca (muitas vezes, erroneamente, também chamado de Merluza do Alasca)

Portugal - Paloco do Pacífico ou Escamudo do Alasca

 

Outros idiomas:

Francês

França - Lieu de I’Alaska, Morue du Pacifique Occidental, Colin d'Alaska

Canadá - Walleye Pollock, Goberge de l'Alaska

Espanhol - Colin de Alaska, Abadejo de Alaska

Italiano - Merluzzo dell Alaska

Inglês - Alaska Pollock  

Alemão - Pazifischer Pollack

Russo - Минтай (Mintai)

Japonês - Sukeso-dara, Suketodara

 

 

 

 

 

 

 

 


    Voltar ao topo  

 

  no Correio Gourm@nd  

 

APOIO:

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

|

|

 

Copyright   -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.

 
 

Voltar ao topo