CORREIO GOURMAND    

Home

|

O CORREIO GOURMAND

|

CUPOM GOURMAND

|

SORTEIO DO MÊS

|

PREMIADOS

|

PROMOÇÕES

PROMOÇÕES

CORREIO GOURMAND

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA CADERNO DE NOTÍCIAS DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

 

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA

CADERNO DE NOTÍCIAS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS

VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Mapa do Portal

 
GUIAS GOURMANDS

GUIA ONDE COMER BEM

GUIA ONDE SE HOSPEDAR
GUIA FAZENDO FESTA
GUIA DE ESCOLAS E CURSOS DE GASTRONOMIA
GUIA ONDE COMPRAR PRODUTOS GASTRONÔMICOS
GUIA DO MERCADÃO DE SÃO PAULO
 

  DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS  

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Alimentando o saber, aprimorando o paladar...

ALIMENTOS

 

Apoio cultural: 

APROVADO  

   

 

CEREJA

 

 

Originária da Ásia, a cereja já era conhecida pelos antigos egípcios e gregos. Foram os romanos que levaram a fruta para a Europa Ocidental e, na Idade Média, o cultivo das principais espécies tornou-se comum em diversos países do continente.

 

Com cerca de dois centímetros de diâmetro, a cereja é o fruto da cerejeira, árvore do gênero Prunus, da enorme família das rosáceas, que compreende a maioria das fruteiras cultivadas no Hemisfério Norte. O gênero Prunus conta com cerca de dez espécies na América do Norte e número idêntico na Europa, mas é no leste da Ásia que ocorre a maior concentração de cerejeiras silvestres.

 

Duas espécies de cerejeiras são de particular importância para a fruticultura, ambas de flores brancas: a Prunus avium, com altura média de 11m, conhecida no Brasil como cerejeira-verdadeira ou cerejeira-doce, e a Prunus cerasus, com altura média de cinco metros e frutos extremamente ácidos, chamada ginjeira em Portugal. Todas as variedades contêm vitamina A e pequenas quantidades de minerais como o cálcio e o fósforo.

 

Existem, ainda, os tipos híbridos que vão do amarelo (chamadas de cerejas brancas) ao vermelho escuro e ao vinho escuro (pretas) e são classificadas segundo o seu grau de acidez.

 

Muitas variedades de cerejeira que não produzem frutos foram apuradas por seleção apenas como plantas ornamentais, sobretudo no Japão. No Brasil, são impropriamente chamadas de cerejeiras, pela semelhança dos frutos, árvores e arbustos de outras famílias, como a cerejeira-do-paraná (Dimorphandra exaltata), uma leguminosa; a cerejeira-do-pará (Malpighia punicifolia), uma malpighiácea; e a cerejeira-do-rio-grande (Myrcianthes ou Eugenia edulis), uma mirtácea.

 

 

Como comer cerejas

 

A cereja doce, de polpa macia e suculenta, é servida ao natural como sobremesa. A ácida, de polpa bem mais firme, é usada na fabricação de conservas, compotas, licores como o "kirsch, o cherry e o marasquino".

As cerejas em compotas são muito usadas em bolos como o tradicional Floresta Negra e em pudins e outros doces.

.

 

A florada da cerejeira no Japão

 

A flor da cerejeira é a flor símbolo do Japão. A simbologia é tão forte que o povo a cultua e respeita como a própria bandeira japonesa ou o hino nacional. É chamada de sakura e simboliza uma deusa.

 

A florada da cerejeira é um dos mais belos espetáculos da natureza e, lá na "Terra do Sol Nascente", ela é uma instituição nacional. A sakura senzen (que significa, literalmente, linha de frente das cerejeiras) começa no sul, em Okinawa, e estende-se em direção ao norte, até Hokkaido. O fenômeno, que dura dois meses e se move como uma onda. As pessoas acompanham pelos meios de comunicação as previsões meteorológicas da linha da floração que se espalha por todo o território. Nesta época o Japão inteiro entra em festividades para apreciar esta flor tão bela e tão fugaz que dura apenas alguns dias. Os grandes apreciadores da flor fazem roteiros turísticos que acompanham a transformação da paisagem.

 

As árvores perdem todas as suas folhas e logo vêm as flores, com tons que variam de branco até o rosado, anunciando o fim do rigoroso inverno japonês. As pessoas, então, sentam-se em multidões sob as copas floridas das cerejeiras e fazem piquenique, para observar as flores. A prática, denominada hanami, existe há mais de dez séculos e exige a dedicação dos participantes, já que, em cada região, o espetáculo só dura duas semanas. Ela foi difundida pelos emigrantes japoneses e hoje é praticada em muitos países, incluindo o Brasil, como ocorre na Festa das Cerejeiras do Parque do Carmo, em São Paulo.

 

Segundo a lenda japonesa, as flores de cerejeira são o símbolo da deusa Konohana Sakuya Hime (“Princesa da Floração das Árvores”, em japonês). Ela mora no Monte Fuji e os japoneses acreditam que ela protege o local para o vulcão não entre em erupção, além de ser venerada para proteger as colheitas. Flores de cerejeira são curtidas em sal no Japão e servidas na forma de chá em casamentos, para que os noivos sejam felizes.

Fonte: Enciclopédia Britânica

CLIQUE AQUI

 e veja estas e outras imagens ampliadas

  Você gostou? Então compartilhe!!  
 

Voltar à página principal de DICIONÁRIO GASTRONÔMICO DE ALIMENTOS - Frutas

 
 

 

 

 

 

CEREJA

 

Nome Científico: Prunus avium L. (cereja doce) e Prunus cerasus L. (cereja ácida)

 

 

Outros idiomas:

Francês - Cerise

Italiano - Ciliegio

Espanhol - Cereza

Inglês Cherry

Alemão - Kirsche

 

 

 

 

 

    Voltar ao topoa>  

 

  no Correio Gourm@nd  

 

APOIO:

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

|

|

 

Copyright   -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.

 
 

Voltar ao topo