CORREIO GOURMAND    

Home

|

O CORREIO GOURMAND

|

CUPOM GOURMAND

|

SORTEIO DO MÊS

|

PREMIADOS

|

PROMOÇÕES

PROMOÇÕES

CORREIO GOURMAND

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA CADERNO DE NOTÍCIAS DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

 

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA

CADERNO DE NOTÍCIAS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS

VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Mapa do Portal

 
GUIAS GOURMANDS

GUIA ONDE COMER BEM

GUIA ONDE SE HOSPEDAR
GUIA FAZENDO FESTA
GUIA DE ESCOLAS E CURSOS DE GASTRONOMIA
GUIA ONDE COMPRAR PRODUTOS GASTRONÔMICOS
GUIA DO MERCADÃO DE SÃO PAULO
 

  DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS  

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Alimentando o saber, aprimorando o paladar...

ALIMENTOS

 

Fruto

Apoio cultural: 

APROVADO  

 

PEPINO

 

Virgínia Brandão

 

 

O pepino (Cucumis sativus) é uma hortaliça fruto, muito refrescante em função de seu alto teor de água (95%). Contém pequena quantidade de vitaminas A, C, B1, B2, e de sais minerais. Possui beta-caroteno, folacina, cálcio, magnésio, potássio, fósforo, selênio e é rico em zinco, auxiliando o transporte de vitamina A no organismo. O seu valor calórico é baixo, em 100g contém 12 a 14 kcal, e por isso também é indicado para pessoas que desejam perder peso.

 

História

 

Hoje espalhado por todo o mundo, o pepino é originário das regiões tropicas do Sul da Ásia, provavelmente da Índia, onde é cultivado há mais de 4 mil anos e de onde se espalhou para a China e o Oriente Médio, chegando à Grécia e, dali, à Roma. Os romanos, por sua vez, encarregaram-se  de introduzir o pepino em outras partes da Europa. Existem registros do cultivo de pepinos na França no século 9, na Inglaterra no século 14, e nos Estados Unidos em meados do século 15, tendo as primeiras sementes sido trazidas por Cristóvão Colombo.

 

No século 17, as sementes de pepinos e melões era usadas como remédios por suas propriedades diuréticas.

 

As primeiras estufas aconteceram acidentalmente na Inglaterra. O primeiro híbrido do pepino apareceu em 1872.

 

A Planta

 

Planta da grande família das cucurbitáceas, que tem cerca de 750 espécies, entre elas algumas de grande importância para a alimentação humana, como, por exemplo, o maxixe, o chuchu, abóbora, abobrinha, moranga, melancia, melão e melão de São Caetano, o pepineiro é uma planta herbácea anual, trepadeira, dotado de gavinhas (órgãos filiformes que se enrolam para fixar no suporte) e seus ramos podem chegar a alguns metros de comprimento.

 

As folhas são inteiras, cordiformes (formato de coração), ásperas ao tato na sua face inferior, e a cor vai de verde-claro a verde-escuro.

 

As flores são amarelas e monóicas, isto é, a planta produz flores masculinas e femininas, separadas na mesma planta. A identificação de flor feminina é fácil, porque na sua base, mesmo na fase de botão floral, já existe um frutinho, o que não acontece na flor masculina.

 

Há numerosos cultivares de pepino, que geram frutos dos mais variados tipos. Conforme variedades ou híbridos, ocorrem grandes variações no tamanho, comprimento, formato, coloração e sabor dos frutos, além de diferenças nas características vegetativas como porte, hábito de crescimento e ciclo. O gênero Cucumis compreende 38 espécies conhecidas.

 

Em geral, os pepinos têm formatos cilíndricos, alongados e inteiramente verdes ou verdes com manchas claras de diferentes tamanhos.

 

Morfologia:

O pepino é um fruto imaturo (verde) do tipo pepônio (fruto das cucurbitáceas, de mesocarpo volumoso e grande cavidade cheia de placentas com muitas sementes, como o melão, a melancia e a abóbora, por exemplo).

 

 

 

 

O Cultivo

 

Hortaliça fruto de clima tropical, o pepino prefere o cultivo em condições de temperatura elevada, mas pode ser cultivado nas regiões de temperatura amena, onde não ocorram frio e geada. Sensível ao frio, desenvolve-se bem em temperaturas entre 22º e 25º C. Não tolera solos encharcados.

 

O plantio faz-se em covas bem adubadas, a intervalos de pelo menos um metro, com três a quatro sementes a dois centímetros de profundidade. 

 

A germinação ocorre em cinco dias; a primeira florada, em cerca de um mês. O início da colheita ocorre entre 60 a 80 dias após o plantio, para os tipos aodai, japonês e caipira; e 45 a 60 dias, para o tipo industrial. As colheitas são feitas até duas vezes ao dia (tipo indústria), todos os dias ou a cada 2 dias.

 

A polinização, feita por insetos, é indispensável à formação dos frutos cilíndricos, com 10 a 20 centímetros de comprimento.

 

Para contornar o problema de baixa temperatura ou época de muita chuva no verão, os produtores têm produzido pepino em estufas cobertas com plástico. A diferença entre essas duas situações está no manejo da estufa. No frio, faz-se o fechamento lateral com uma cortina de plástico e abertura nas horas mais quentes do dia; enquanto que no verão, deixa-se sempre aberta lateralmente. Com esse procedimento, consegue-se produzir pepino o ano todo.

 

A propagação é feita por sementes e as mudas são produzidas inicialmente em estufas e depois plantadas no local definitivo, no campo ou na estufa.

 

Para a produção de pepinos de alta qualidade em estufa, principalmente o pepino tipo japonês, faz-se a enxertia em abóbora, porque apresenta várias vantagens, como vigor, aumento na produtividade e frutos de melhor qualidade.

 

No Brasil

 

No Brasil, o pepino é cultivado em todas as regiões, principalmente no Sudeste e no Sul. A produtividade média é 40 a 50 toneladas de frutos por hectare, para os tipos aodai, japonês e caipira; e 20 a 40 toneladas por hectare, para o tipo indústria. Em São Paulo, próximo à Região Metropolitana, em Pilar do Sul/Capão Bonito/Piedade, o "Japonês" é o mais cultivado, e tem a preferência dos consumidores paulistanos. Para o mercado mais voltado para o interior paulista e demais estados brasileiro, o "Caipira" é predominante.
 

Seu período de safra é de outubro a abril.

 

No mercado brasileiro, as variedades e híbridos disponíveis são muitos e agrupados em tipos, como aodai, caipira, japonês, indústria (conserva). Para caracterizar esses quatro tipos de forma bem simplificada, o tamanho e as cores dos frutos, na época da colheita, são tomados como base:

 


Comum ou Aodai

 

 frutos verde-escuros e casca lisa

com 20 a 25 centímetros de comprimento

 


Caipira

 

 frutos verde-claros, estrias brancas e casca lisa

com 10 a 16 centímetros de comprimento

 


Japonês ou Aonaga

 

frutos verde-escuros brilhantes, mais finos e alongados que os anteriores

com 20 a 30 centímetros de comprimento

 


Conserva

 

variedade próprias para conserva, chamado de cornichon ou gherkin

com 5 a 9 centímetros de comprimento

 


Sem semente ou holandês

 

Com um formato um pouco diferente dos outros, permanecem mais finos, mesmo depois de atingir mais de 6 cm. São totalmente aproveitáveis, pois por sua casca ser fina e sem espinhos, pode-se comê-los inteiros. Seu sabor é muito delicado, são crocantes e de fácil digestão, mesmo os colhidos um pouco mais adiantados.

 

Da mesma espécie, também são encontrados os mini pepinos, mais delicados, macios e decorativos. A diferença, entretanto, está somente no ponto de maturação.

com 5 a 9 centímetros de comprimento 

 

Como Comprar

 

Escolha os frutos com cuidado para não danificá-los pois os ferimentos e amassamentos prejudicam sua qualidade e reduzem sua durabilidde. Prefira frutos firmes e com casca brilhante. Frutos muito grandes, que já iniciaram o amadurecimento somente são recomendados para consumo na forma refogada. Frutos muito pequenos são saborosos mas murcham mais rapidamente.


O pepino pode ser comercializado já picado, embalado em sacos de plástico ou bandejas recobertas por filme de plástico. Compre somente quando esse produto estiver exposto em gôndolas refrigeradas para garantir a sua adequada conservação, pois quando os frutos estão descascados e picados, sua durabilidade é menor.

 

Os menores preços de pepino ocorrem de outubro a janeiro.

 

CLIQUE AQUI e, para ter mais dados para escolher um bom produto, conheça os tipos de defeitos que o pepino pode apresentar.

 

Como Conservar

 

O pepino se estraga rapidamente se mantido em condição ambiente. Em geladeira, dentro de saco de plástico perfurado, pode ser conservado por até uma semana sem grandes alterações na cor, sabor e aparência. O pepino deve ser colocado na parte inferior da geladeira.

 

Frutos consumidos crus devem ser lavados em água corrente e higienizados com uma mistura de 1 litro de água filtrada e 1 colher de sopa de água sanitária. Deixe os frutos de molho por 30 minutos e enxágüe, em seguida, em água corrente.

 

Como consumir

 

O pepino é uma hortaliça refrescante, ideal para consumo em dias quentes.

 

São consumidos essencialmente crus na forma de saladas ou picles, mas, também, podem ser usados cozidos e recheados, em refogados, sopas quentes ou frias.

 

Também é excelente para incrementar sanduíches de carnes em geral, inclusive aves, pescados e defumados, sozinho ou juntamente com tomate e alface.

 

Ele deve ser consumido sempre com casca (bem lavado), pois é nela que se encontram substâncias que facilitam a sua digestão. O pepino tipo Aodai, entretanto, deve ser consumido sem a casca, pois a mesma é de difícil digestibilidade.

 

Dicas de Uso:

  1. Temperos que combinam com o pepino: vinagre, pimenta, limão, sal, azeite, orégano.

  2. Para facilitar a digestão do pepino, recomenda-se mastigá-lo bem.

  3. O pepino batido no liquidificador com água e mel serve para as mãos ressecadas por detergente.

Propriedades Medicinais:

 

O pepino é um ótimo tônico para o fígado, rins e vesícula, e dá força aos cabelos e unhas, pelo seu alto teor de sílica e flúor. Tem, também, efeito diurético e ação calmante descongestionante, refrescante, age hidratando a pele e protegendo os tecidos.

Seu suco tem efeito anti-térmico e pode ser usado contra todo tipo de febre e, também, nas inflamações do tubo digestivo e da bexiga. Misturado com mel, é excelente para combater as enfermidades da garganta. Tem, ainda, ação purificante e serve para eliminar a gordura da pele.

 

As folhas amassadas têm aplicação externa contra picadas venenosas, embora não substituam os antídotos convencionais.

 

Comer um pepino equivale a tomar um copo de água. Isso porque ele é um dos alimentos mais ricos em água, 96% do seu peso é água. Um pepino de 250g contém 240g de água. Além disso, as 10g de matéria sólida é muito nutritiva, com um grande valor biológico e poder curativo.

 

Fontes: Enciclopédia Britânica

Programa Brasileiro para Modernização da Horticultura

Globo Rural

Wikipéida

Embrapa

O Pombal - Catarina Lima 

Você gostou? então compartilhe!!  

Voltar à página principal de HORTALIÇA FRUTO


 
 
 

 

 

PEPINO

Nome científico: Cucumis sativus
 

 

CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Classe: Magnoliopsida

Ordem: Cucurbitales

Família: Cucurbitaceae

Gênero: Cucumis

Espécie: C. sativus
 

 

Outros idiomas:

Francês - Concombre

Italiano - Cetriolo

Espanhol - Pepino

Inglês - Cucumber

Alemão - Gurke

Sânscrito - Soukasa

 

 

 

Mini pepino

Pepino de Estufa

 

Pepino Indiano Sikkim

Cornichon

Pepino Apple (maçã)

Pepino Lemon (limão)

 

 

CLIQUE AQUI

e veja imagens ampliadas

 

 

 

O CURIOSO PEPINO ESGUICHADOR

ou Pepino de São Gregório

 

 

O Ecballium elaterium, mais conhecido como pepino de S. Gregório, é um primo do pepino, mas que não é comestível. É uma espécie nativa do sul da Europa, mais propriamente da zona mediterrânea e pode ser encontrada em solos calcários, beiras de caminhos, muros e próximo de habitações.

 

Possui uma raiz carnuda, da qual nascem caules grossos e tenros, que não se elevam muito do solo, já que a planta é rastejante. Ao contrário de outras plantas da mesma família, os pepinos de S. Gregório não possuem gavinhas. As folhas, de até 10 cm, crescem em posições alternadas, têm dois lóbulos e forma de coração. São grossas mas tenras e de cor verde-pálido na parte superior e mais claras na parte inferior. Os seus frutos, de cor verde, têm uma forma oblonga/cilíndrica e inclinação para baixo, e e podem atingir 5 cm de comprimento. Ganham uma cor amarelada quando atingem a maturação e as flores, constituídas por 5 pétalas de cor amarela, desabrocham entre abril e setembro. Além disto, toda a planta está coberta por um conjunto de pelos esbranquiçados e rígidos.

 

A forma como esta planta dispersa as suas sementes é muito peculiar e engenhosa: quando os frutos estão bem maduros, ao serem tocados por algum animal ou com o próprio vento, desprende-se do pedúnculo e explodem de imediato num jato que lança longe suas sementes envoltas numa gosma pegajosa, ácida e irritante à pele.

 

Em Inglês, o seu nome faz referência a esta característica, e são chamados de “pepinos explosivos”. As sementes lançadas são castanhas, ovais, ligeiramente achatadas e com 4 mm de comprimento.

 

Apesar de ser uma planta altamente tóxica, que não deve ser ingerida de forma alguma, ela é usada externamente, na medicina popular, para dores reumáticas, artroses, espondilose e sarna dos animais.

 

Os pepinos são geralmente colhidos nos meses do verão e usam-se imaturos, ou seja, antes de libertarem as sementes. Corta-se o pedúnculo e conservam-se os bagos num frasco com álcool, onde ficam macerando por cerca de 15 dias. Depois desse período, o álcool resultante é friccionados no local onde se sentem as dores. Este preparado dura muitos anos sem se estragar.

 

O sumo do fruto fresco é também utilizado no tratamento de sinusites, aplicando-se diretamente uma gota em cada uma das narinas. Os resultados obtêm-se passadas 24 horas, com um total descongestionamento nasal.

 

Por ser uma planta extremamente resistente a doenças e pragas, defende-se o seu cultivo junto das outras cucurbitáceas comestíveis, para que as possa proteger.

CLIQUE AQUI

e veja imagens do pepino de

São Gregório

 



    Voltar ao topo  

 

  no Correio Gourm@nd  

 

APOIO:

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

|

|

 

Copyright   -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.

 
 

Voltar ao topo