CORREIO GOURMAND    

Home

|

O CORREIO GOURMAND

|

CUPOM GOURMAND

|

SORTEIO DO MÊS

|

PREMIADOS

|

PROMOÇÕES

PROMOÇÕES

CORREIO GOURMAND

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA CADERNO DE NOTÍCIAS DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

 

CADERNO DE CULTURA GASTRONÔMICA

CADERNO DE NOTÍCIAS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

CADERNO SAÚDE & SABOR

CADERNO FOODSERVICE

CADERNO DE RECEITAS

VÍDEOS GOURMANDS

CADERNO ROTEIROS TURÍSTICOS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Mapa do Portal

 
GUIAS GOURMANDS

GUIA ONDE COMER BEM

GUIA ONDE SE HOSPEDAR
GUIA FAZENDO FESTA
GUIA DE ESCOLAS E CURSOS DE GASTRONOMIA
GUIA ONDE COMPRAR PRODUTOS GASTRONÔMICOS
GUIA DO MERCADÃO DE SÃO PAULO
 

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

DICIONÁRIOS GASTRONÔMICOS

Alimentando o saber, aprimorando o paladar...

 

 

Apoio cultural: 

APROVADO


 

vinho

A bebida dos deuses e dos mortais também...

 

 

 

REGIÕES PRODUTORAS

 

Da França à China, passando pelo Brasil, África do Sul e Austrália, os vinhedos e a produção de vinho, antes restrita à Europa, o "Velho Mundo", espalhou-se praticamente por todo o planeta. As regiões mais favoráveis ao cultivo de uva Vitis vinífera estão localizadas entre os paralelos 30 e 50 do globo terrestre, em ambos os hemisférios. É nessa faixa, portanto, que estão localizados os maiores países produtores de vinhos de qualidade. São eles (em ordem alfabética):

 

Alemanha

África do Sul

Argentina

Austrália

Brasil

Chile

Espanha

Estados Unidos

França

Itália

Portugal

Uruguai

 

 

O mercado atual

 

Cada dia mais, o mercado do vinho está internacionalizado e globalizado, o que tem provocado mudanças no setor, obrigando aos agentes desta cadeia produtiva mundial, a tornarem-se cada vez mais competitivos. Sabe-se que a maior parte da produção de uvas para a elaboração de vinhos finos está localizada entre os paralelos 30° e 50° Norte e de 30º a 50° Sul, onde a uva Vitis vinífera está melhor adaptada, o que corresponde à faixa onde estão localizados os tradicionais países produtores de vinhos, como França e Itália.

 

É o terroir, expressão francesa que identifica os quatro elementos fundamentais de um vinho: o solo, o clima, a casta e a interferência do homem.


Entretanto, novos países estão começando a produzir vinhos, provando que não é somente nos antigos e conhecidos terroirs europeus que se fazem vinhos de qualidade. Esta abertura fez com que aumentasse o número de países produtores, os chamados países do “novo mundo vinícola” com a contribuição do Hemisfério Sul, essencialmente Chile, África do Sul e Austrália que, com os EUA, têm marcado a produção mundial com volumes importantes destinados aos mercados externos.

 

Segundo a Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO), a produção mundial de uva e vinho é crescente até o ano de 1982 (72,57 milhões toneladas de uva e 37,36 milhões toneladas de vinho). No entanto, pode-se observar que a partir de 1982, houve queda dessa produção, chegando a menos 17,43% de uva e menos 38,22% de vinho processado (1982 a 2002). Portanto, nesse período a produção de uva pode estar atendendo a outras finalidades como: uvas de mesa, suco, vinagre, vinho, geléias, entre outras (FAO, 2005). Em 2002 o mundo produziu 61,80 e em 2004 passou para 65,49 milhões de toneladas de uva, um crescimento de 5,63%, o que pode sugerir que a produção de vinho também acompanhe essa tendência. Segundo dados OIV (Office International de la Vigne et du Vin ) de 1996, o principal produtor mundial de vinho é a França, seguido pela Itália, Espanha e Estados Unidos. O Brasil fica em décimo sexto. Em relação ao consumo, o primeiro país consumidor é a França, seguido pela Itália, Portugal e Luxemburgo. O Brasil é o vigésimo nono no ranking.

 

O mais recente membro do clube dos grandes produtores do mundo é a China. Embora o cultivo da videira seja milenar no país, há menos de uma década o hábito do vinho era praticamente desconhecido da maior parte da população. A entrada do vinho nos hábitos chineses precipitou-se quando os membros do Governo, numa recepção oficial, se prontificaram a efetuar um brinde com um copo de vinho tinto, ação que, num país como a China, acabou por ter um efeito "explosivo" e mais eficaz que qualquer campanha de "marketing". Desde então as campanhas pró-vinho sucedem-se e o consumo cresceu geometricamente. Com uma classe média estimada em 200 milhões de pessoas e 520 milhões de garrafas de vinho consumidas por ano no país, das quais somente 5% são importadas, não é difícil concluir como esse crescimento pôde se dar num espaço de tempo tão curto. Mas, quem já tomou garante, a qualidade deixa muito, mas muito a desejar. Pelo visto, há, ainda, um longo caminho a ser percorrido para que se concretizem as estimativas de alguns entendidos, de que até 2058, a China liderará a produção mundial, "com Cabernets capazes de concorrer com os de Bordeaux".

 

 

Fonte: Enciclopédia Britânica

Revista Exame

 

 

 

 

 

A nova geografia do vinho


Espumante inglês? Riesling sueco?

Se a temperatura do planeta subir 2 graus,

essas são as garrafas com que a humanidade vai brindar a entrada de 2058.


Não estranhe se daqui a 50 anos você estourar uma garrafa de surrey - e não de champanhe - para comemorar a chegada do ano novo. Surrey, no sul da Inglaterra, é uma das cidades produtoras de vinhos espumantes que podem desbancar produtores tradicionais (como a região francesa de Champagne) casoa temperatura do globo continue a subir.

Um aumento de 2°C mudará a geografia do vinho no planeta. Grosso modo, as áreas com potencial para o cultivo de vinhedos de qualidade ocupam uma faixa latitudinal em cada hemisfério. Com a alteração climática, essas faixas tendem a ser deslocadas para mais longe da linha do Equador, favorecendo os países de clima frio.

Como o clima é apenas um dos fatores decisivos para a produção de um vinho de renome (ao lado do solo, da qualidade das parreiras e da tecnologia), há quem acredite, contudo, que as regiões tradicionais como a França não perderão a dianteira - desde que estejam dispostas a usar espécies que se adaptem às novas condições.
 


REGIÕES TRADICIONAIS

Argentina e Chile
As regiões mais tradicionais dos dois países - o vale Central do Chile e as terras baixas de Mendoza, no oeste Argentino - devem ser afetadas negativamente pelo aumento de temperatura.


Serra gaúcha (Brasil)
Apesar da melhoria técnica, o clima e o solo são um entrave para a produção de vinhos de alto padrão, principalmente tintos. O aquecimento pode fazer com que a região se concentre na produção de espumantes.


Champagne (Nordeste da França)
O leve aumento de temperatura está beneficiando os vinhos da região, tornando-os mais "redondos". Se o calor piorar, as uvas perderão em acidez, parâmetro decisivo na qualidade de um grande espumante.


Borgonha (Leste da França)
Produz os melhores tintos do mundo à base da uva pinot noir. Ocorre que essa é uma das variedades mais vulneráveis a mudanças climáticas. Com o aquecimento, é provável que os produtores tenham de buscar outra uva.


Vale do Reno (Alemanha)
O vale do Reno é hoje conhecido por produzir um dos melhores vinhos brancos do mundo feitos a partir da uva riesling - variedade que se dá muito bem em zonas de clima frio demais para os vinhos tintos.


Califórnia (EUA)
O famoso vale de Napa, que já tem um clima considerado mais quente do que o necessário para produzir vinhos de alta qualidade, pode perder sua supremacia para outras regiões mais frias nos EUA.


Austrália meridional
Se a temperatura subir mais de 1,5°C até 2040, as uvas da região podem perder até 50% de qualidade para a produção de grandes vinhos. O cultivo de espécies como pinot noir e sauvignon blanc deve se tornar inviável.
 


NOVOS VINHEDOS

Argentina e Chile
No Chile, a área de Bio-Bio, ao Sul de Santiago, pode se tornar uma das regiões produtoras de destaque no país. Em Mendoza, na Argentina, as parreiras devem subir mais em direção aos gelados Andes.


Campanha Gaúcha (Brasil)
A região que faz fronteira com o Uruguai pode se tornar a grande região vinícola do país. Não é à toa que muitos produtores da Serra Gaúcha já estão se estabelecendo nos pampas.


Inglaterra
O aquecimento global pode tornar os ingleses, quem diria, grandes produtores mundiais. As regiões mais beneficiadas estão no sul da Grã-Bretanha, como os condados de Kent e Surrey, que já têm vinhos razoáveis.


Alemanha
Com o aquecimento global, a Alemanha pode concorrer seriamente com os vizinhos franceses como produtora dos grandes vinhos tintos do mundo (hoje, os tintos alemães são poucos e de qualidade sofrível).


Suécia
Praticamente desconhecido como produtor de vinhos (com razão, pois a friaca sueca não é amiga das videiras), o país escandinavo pode passar a produzir vinhos riesling de renome mundial.


Canadá
Mais conhecido por produzir ice wine (um vinho doce, para acompanhar sobremesas), feito a partir de uvas congeladas ainda no pé, o Canadá pode se tornar uma potência vinícola na América do Norte.


Tasmânia (Austrália)
Apesar de produzir vinhos sem fama mundial desde a década de 1970, a Tasmânia, ilha ao sul da Austrália, pode se tornar a principal região produtora do país caso a temperatura siga aumentando.


 

 

Fontes: Revista Superinteressante - 02/2008

  Você gostou? então compartilhe!!  
 

Voltar à página principal de VINHOS

 

    Voltar ao topo  

 

  no Correio Gourm@nd  

 

APOIO:

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

|

|

 

Copyright   -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 14 maio, 2016.

 
 

Voltar ao topo