BOLETIM GOURMAND - linha direta com o melhor da gastronomia

 

CADERNO SAÚDE & SABOR

 

 

 

 

 

 

CADERNO SAÚDE & SABOR

 

Apoio cultural:

 

   

 

Como tirar os agrotóxicos do alimentos

Dra. Iara Pasqua

 

 

Infelizmente a maioria das frutas, verduras e legumes que encontramos nos mercados crescem com agrotóxicos, fertilizantes e outros adubos. Já sabemos que esses produtos químicos roubam os nutrientes das hortaliças e podem causar vários problemas de saúde: desde leves dores de cabeça até o câncer.

Os fertilizantes podem ir para os alimentos por diversos meios. Podem ser colocados na água de irrigação, na terra onde a muda da planta crescerá ou expurgados sobre a plantação. Em qualquer um desses casos, os agrotóxicos vão para o solo e são sugados pelas raízes contaminando toda a planta e, infelizmente, comeremos esses produtos químicos comermos as folhas das verduras, as frutas ou os legumes que a planta produzirá. Por isso, o melhor mesmo são os alimentos orgânicos: produzidos sem nenhum agrotóxico. Mas, muitas vezes são difíceis de serem encontrados, então o jeito é tentar eliminar o excesso de agrotóxico que fica por fora dos alimentos. Para ajudar, então, a diminuir o consumo desses “venenos”, aí vão algumas dicas:

1 – Procure usar sempre legumes, verduras e frutas da época, pois possuirão menos defensivos e hormônios.

2 – Lave legumes, verduras e frutas numa mistura de água com um pouquinho de detergente ou de água e vinagre. Deixe-os de molho de 15 a 20 minutos e enxague-os cuidadosamente.

3 – Em alguns casos, frutas e legumes podem receber uma camada de cera para que não percam a umidade e murchem. Esta cera também contém fungicidas para evitar o aparecimento de bactérias. Ex: maçãs, pimentões, berinjelas, grapefruits, melões, nectarinas, pêssegos, etc. Para eliminá-la, sempre que possível, descasque legumes e frutas. Você perderá algumas vitaminas contidas na casca, mas em compensação terá uma alimentação mais segura.

4 – Legumes muito grandes, produzidos convencionalmente, podem ser resultado de adubação e estimulantes artificiais. Prefira os legumes e frutas menores.

5 – Dê preferência aos produtos nacionais, ao invés dos importados. Frutas e legumes produzidos no país não precisam de tantos pesticidas como aqueles que percorrem longas distâncias e são armazenados por longos períodos de tempo.

6 – Resíduos de pesticidas e outros produtos químicos tendem a se concentrar nos tecidos gordurosos dos animais. Diminuir seu consumo reduz a ingestão de agrotóxicos. Ao preparar qualquer vaca, carne, frango, porco, etc. procure retirar toda a gordura e pele. Escolha laticínios com baixo teor de gordura, prefira leite desnatado e queijos magros. Prefira carnes de frango e porcos caipira, criados sem hormônios e rações. E também não se esqueça do ovos caipiras.

7 – No Brasil, dentre os produtos agrícolas que mais recebem agrotóxicos, destacam-se o tomate, a batata inglesa, o morango e o mamão papaia. No caso da produção de uva Rubi e Itália, em São Paulo, são feitas até 40 aplicações de produtos químicos, da brotação até a colheita.

8 – Varie o máximo que puder os alimentos para evitar o excesso de um mesmo agrotóxico.

E, o mais importante: NÃO PAREM DE CONSUMIR FRUTAS, VERDURAS NEM LEGUMES. Mesmo com agrotóxicos, os vegetais fornecem algumas vitaminas que nos ajudam a “varrer” as toxinas que consumidos e a tratar os problemas de saúde causados pelo excesso de fertilizantes que já estamos consumindo há muitas décadas!

 

 

 

Para saber mais sobre:
Hortaliças, clique aqui.  
Frutas, clique aqui.  
Alimentos, clique aqui.  

 

 
 

Voltar ao topo

 

 

Apoio:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

|

|

 

Copyright ©  -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.