|

|

|

|

|

|

|

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 BRASIL

  REGIÕES E ESTADOS
  SUL
     Sta Catarina
  História
  Festas Populares
  O povo Catarinense
  A Gastronomia
  Roteiros Turísticos
  Florianópolis
  Imigração Açoriana
 

 
 
 
 
 

 

 
 
 
 
 
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Florianópolis


Habitantes: 396.723 (IBGE – 2007)
PIB per capita: R$ 15.576,00 (IBGE – 2005)
IDH: 0,875 (elevado)
PIB per capita: R$ 15.576,00 (IBGE – 2005)
42 praias
Área: 436,5 km².
Temperatura no inverno: 7°C a 12°C.

Florianópolis tem ligação aérea com vários Estados do Brasil. Por rodovia, está a 300km de Curitiba, 476km de Porto Alegre e 705km

 

Mercado Público
O prédio que hoje abriga o Mercado Público foi construído em 2 etapas. A primeira ala do mercado, na Rua Conseilheiro Mafra foi erguida e 1899. Em 1915 foram construídas a segunda ala, as torres e as pontes que as interligam. É um dos pontos mais tradicionais da cidade, freqüentado tanto pelos nativos, quanto pelos turistas. O prédio conta com mais de 100 boxes que comercializam peixes, artesanato, roupas, calçados. O local conta também com diversos bares no vão central.

Área entre as duas alas do mercado

Banca de peixes e frutos do mar

Box 32 - o mais famoso bar do Mercado Municipal de Florianópolis.

 

 

 
     
 
 
 
     

 

BRASIL

 

 

  ESTADO DE SANTA CATARINA

 

 

CAPITAL

 

Florianópolis

Ilha da Magia

 

História da Imigração Açoriana

 

Situada na Ilha de Santa Catarina, a cidade de Florianópolis, antiga Vila de Nossa Senhora do Desterro, conta com sítios arqueológicos, sambaquis e inscrições rupestres que mostram que a primeira presença dos índios tupis-guaranis em Florianópolis data de quase 5.000 a.C.

 

Foi fundada pelo bandeirante paulista Francisco Dias Velho em 1662. Durante o período colonial, por sua localização estratégica entre o Rio de Janeiro e a fronteira portenha, teve grande importância como base de defesa e de apoio aos enfrentamentos militares dos portugueses com os espanhóis.

Em 1739, a Vila do Desterro tornou-se a sede da Capitania de Santa Catarina e passou a ser o posto mais avançado da soberania lusitana na América do Sul. Dispunha, entretanto, de uma fraca densidade populacional, situação comum a todo o Brasil Meridional nos meados do século 18, quando pouco mais de 3 mil pessoas se espalhavam por 60.000 km2 de área. Uma grande carência de gente para prover o sustento, produzindo alimentos, povoar e defender a terra e, também, para guarnecer as tropas das diversas fortalezas ali construídas, refreava o desenvolvimento e ameaçava a posse lusitana daquela parte do país.

Ao mesmo tempo, no meio do Atlântico, uma outra possessão portuguesa, o Arquipélago dos Açores, um conjunto de nove ilhas vulcânicas com 2.344 km.2 de área total, possuía uma população bastante volumosa para as suas dimensões, perto de 152 mil pessoas. Vivendo basicamente da agricultura e da pecuária, seus habitantes, que padeciam com os constantes abalos sísmicos e com a miséria que assolava as ilhas, sobretudo pela falta de terra disponível para a lavoura e o pastoreio, espontaneamente solicitaram ao Rei de Portugal passagem para o Brasil.

Seguindo a política da Coroa lusa de povoar para garantir a posse, o Conselho Ultramarino Português realizou então a maior migração sistemática da nossa História. Perto de 6 mil colonos açorianos, famílias inteiras, cruzaram cerca de 8.000 km de mares e, entre 1748 e 1756, desembarcaram na Vila do Desterro. Do total de imigrantes, aproximadamente 4.500 fixaram-se ao longo dos 500 km da costa catarinense, os demais foram desembarcados no Rio Grande do Sul, estendendo a influência da cultura açoriana até os rincões mais distantes do Sul do país.

Esse povo simples e alegre dos Açores trouxe para o Brasil uma bagagem de conhecimentos técnicos, tradições, superstições e costumes que continuam vivos até hoje em Florianópolis e por todo o litoral de Santa Catarina. As muitas festas religiosas, o variado artesanato, a arquitetura colorida, o amor pela música e pela dança, o falar cantado e a saborosa culinária à base de peixe e camarão, entre outras características da cultura açoriana, estão enraizados na vida e na alma da laboriosa e acolhedora gente daquela região.

 

 

 

 

 

Fonte: Férias Brasil

 

 

 

 

 

Google

  

Procure o tema de seu interesse dentro do Correio Gourm@nd

 

Voltar ao topo

 

 

Apoio:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ovadia Saadia Comunicações

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

|

|

 

Copyright ©  -  VB Bureau de Projetos e Textos

Atualizado em: 02 janeiro, 2018.